Com produção Jabuticaba, Gerdau ganha prêmio Aberje

Melhor projeto de mídia audiovisual 2020 foi dado a vídeos sobre diversidade e inclusão


A Gerdau ganhou o Prêmio Aberje Nacional 2020, na categoria Mídia Audiovisual, com o projeto Similaridades, produzido pela Jabuticaba Conteúdo. Promovido pela Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, o prêmio reconhece há 46 anos as melhores práticas de comunicação de empresas e instituições brasileiras. Composto de um vídeo principal e mais cinco videocases, o projeto premiado aborda os temas diversidade e inclusão a partir daquilo que une os seres humanos – como desejo de ter sucesso, de ser respeitado, de se expressar, de ter liberdade – e não pelo que os separa. Por isso, o título Similaridades. O prêmio foi anunciado em evento on-line em 14 de dezembro pelo jornalista Milton Jung (rádio CBN) e recebido pela Gerdau.


A conquista do prêmio Aberje mostra que a Gerdau está no caminho certo em busca de mais diversidade e inclusão no nosso ambiente de trabalho”, diz Pedro Moraes Torres Pinto, Global Head of Corporate Communications and Institutional Branding na Gerdau. A Jabuticaba Conteúdo participou do projeto desde o início. Na fase de pré-produção, nossos profissionais fizeram entrevistas com duas dezenas de funcionários da Gerdau que foram indicados a aparecer nos vídeos. Ao final, foram selecionados cinco profissionais, cada um com um tipo de diversidade, incluindo uma mulher trans, um portador de deficiência física e uma mãe solteira.


O prêmio foi anunciado em evento on-line em 14 de dezembro pelo jornalista Milton Jung (rádio CBN) e recebido pela Gerdau

Os bastidores da produção premiada

Curadoria feita, nossa equipe partiu para as gravações pelo Brasil. Em Barão de Cocais (MG), a equipe gravou com Wedney Espedito, que nasceu com mielomeningocele, doença que lhe restringiu o movimento das pernas. Na Gerdau, ele trabalha no almoxarifado. Praticante de esportes, como a natação, Wedney resume em uma frase o que o torna similar a todos os outros seres humanos: “O respeito, o carinho… eu acho que são as pequenas atitudes que fazem a diferença no mundo todo”. No mesmo dia, a equipe retornou a Belo Horizonte. Lá teve todo o equipamento furtado – incluindo os cartões de memória com as palavras de Wedney. Mas, ufa, tudo foi recuperado em menos de 24h.


No dia seguinte, na cidade de Itabirito, a 50 km de Belo Horizonte, a equipe entrevistou então Freddy José Guzman, um venezuelano que fugiu da crise em seu país, mas deixou para trás a filha, de 10 anos. Por isso, todo dia Freddy e a mulher ligam com saudades para a menina. Entretanto, ele afirma que o acolhimento da equipe Gerdau faz todo seu esforço valer a pena. O que nos torna iguais, segundo ele, é que “somos todos filhos de Deus”. Na sequência, nossa equipe voou até Charqueadas (RS), onde conheceu Helena Medeiros, de quem ouvimos uma história de superação e aceitação. Vestida com o uniforme da Gerdau, ela revela: “Eu tenho muito orgulho de ser uma mulher trans”.


Logo depois a equipe foi para Cotia (SP), em que Evani Nunes, mãe solteira de quatro filhos, contou ter mentido no passado para conseguir um emprego. Hoje, na Gerdau, ela é a única mulher da sua área, em pleno chão de fábrica. E, com a finalidade de encerrar a captação das entrevistas, a equipe viajou para Vitória (ES), onde registrou a história de Tatiana Sarmento, que atua na operação portuária. Ao lado de sua esposa e dos filhos, ela fala de família e fé. Ao final, conclui: “Apesar de todas as diferenças, o que torna a gente igual é o amor”.

O vídeo principal do projeto Similaridades da Gerdau, produzido pela Jabuticaba


O significado do prêmio Aberje

Posteriormente, concluída a etapa de gravação, na qual foram gravados 200 gigas de material bruto em 14 cenários diferentes, chegou a hora da pós-produção. Logo que a equipe de edição recebeu os cartões e, usando técnicas de storytelling, transformou as dezenas de horas de conteúdo em um vídeo principal de seis minutos e em cinco pílulas de um minuto – uma para cada entrevistado. Assim que aprovados pela Diretoria de Comunicação da Gerdau, os vídeos receberam legendas em inglês e em espanhol.


“Sabemos que ainda temos um longo caminho rumo a uma cultura diversa e inclusiva, mas esse desafio foi abraçado tanto pelos nossos líderes quanto por nossos colaboradores. Prova é que os entrevistados que aparecem no vídeo tiveram total liberdade para responder sobre como se sentem trabalhando na Gerdau. Nada foi ensaiado”, diz Pedro Moraes Torres Pinto.


Para a Jabuticaba, foi certamente um privilégio conhecer os cinco colaboradores da Gerdau, que abriram suas casas e seu coração para nossa equipe transformar suas histórias reais em inspiração para outras pessoas e empresas. O prêmio Aberje ampliou o alcance do projeto – e isso nos enche de orgulho.



0 comentário

Posts recentes

Ver tudo